// Mundo Gump

24 setembro 2007

O mundo Gump mudou de endereço:

www.mundogump.com.br

Aparece lá!

Adicione aos Favoritos
Adicionar ao Blogblogs Adicionar ao Rec6 Adicionar ao Linkk Adicionar ao Technorati Adicionar ao Delicious Adicionar ao Digg Adicionar ao StumbleUpon

21 setembro 2007




Oi pessoal. Em primeiro lugar eu quero pedir desculpas aos leitores por sumir sem avisar. O pessoal que acompanha todo dia sabe que 99% das vezes tem posts diários novos aqui, mas aconteceu uma coisa e não deu pra postar. Também não deu pra ler os comentários, emails e nem acessar o Orkut, então eu acabei ficando fora do ar por 3 dias.
Tem duas razões para isso.
Uma é que eu estou mudando de pesquisa no laboratório em que trabalho. E isso envolve uma burocracia INCOMENSURÁVEL de papéis, documentos, relatórios, autorizações, cancelamentos, ativações e etc. Mas não é só isso. Ao mesmo tempo, a hora do Mundo Gump chegou.
Quero dizer que o Mundo Gump chegou na hora de morphar. Cansei do Blogger e suas limitações. Do estouro de banda do meu site todo mês. Chega uma hora em que você tem que prender a respiração e se arriscar. Eu resolvi me arriscar e o Mundo Gump vai sair do Blogger e vai para o Wordpress.

Para o leitor, não muda nada. Bem, talvez mude, mas acho que vai ser para melhor.

Pra mim é que mudou muito, já que estou tendo que estudar e aprender todo um universo de coisas que eu nem imaginava para fazer o MG num servidor próprio fora dos computadores da Google.
Isso vai (invariavelmente) afetar meu pagerank, as estatísticas e o rendimento (risível) que o mundo gump gera com o ad sense, porque eu sou jumento pra caramba e TUDO que linka o Mundo Gump linka para www.mundogump.blogspot.com.

(então fica a dica aí. Se você tá começando um blog, REGISTRE um domínio e cadastre a URL como sua pagina do Blogger. No futuro isso poupará o suplício que eu vou - por burrice - encarar.)

Mas será a liberdade e liberdade vale a pena, independente das suas vantagens e desvantagens.
Então é isso. É por isso que eu sumi. Estou trabalhando no novo Mundo Gump.
É possível que eu não consiga tempo para responder os emails nem os comentários nesse período meio conturbado.

Bem, a previsão é que até domingo eu consiga colocar o Novo Mundo Gump no ar. Até lá, tudo pode acontecer. Se algo sumir, algo parecer errado, estranho ou desconhecido: Não coloque na boca. Alerte as autoridades e esconda-se. Saia de perto que pode explodir.

Após o lançamento do novo Mundo Gump, este blog ficará no ar mas em estado inativo por algum tempo.

Adicione aos Favoritos
Adicionar ao Blogblogs Adicionar ao Rec6 Adicionar ao Linkk Adicionar ao Technorati Adicionar ao Delicious Adicionar ao Digg Adicionar ao StumbleUpon

17 setembro 2007



O caso do tal suposto disco voador caído no recôncavo Baiano, e que teria sido fotografado por um investigador sendo transportado num caminhão em plena luz do dia gerou comentários interessantes dos céticos.
Uma coisa que eu venho notando é que sempre que alguém quer discordar comenta como anônimo.
Caras, eu não vou ficar magoado com vocês se vocês eventualmente discordarem ou tiverem outra opinião. Vocês são livres para criticar, discordar e até duvidar de mim. Podem assinar seus nomes. O chato é que o post anônimo despersonaliza, porque eu nunca sei se é um anônimo só, se são muitos, etc. Isso atrapalha minha própria mudança de opinião.
Sim, acreditem ou não, eu mudo de opinião baseado em opiniões mais concretas e bem formuladas que leio por aí e por aqui. (isso já aconteceu aqui como no post dos operadores de sistema se de segurança digital corporativa. Quem lê o M.G. sabe.)

Sobre o lance do tal disco voador no caminhão, realmente, eu acho que a gente tem que ter um certo discernimento quando se depara com algo assim.

Quando você trabalha investigando casos ufológicos e um informante te avisa do transporte de um ufo, você vai. Por mais escroto que pareça a situação, você tem que ir, mesmo que os céticos queiram rir e te zoar depois, você tem que fazer a sua parte e investigar. Eu sei que é mais cômodo ficar em casa e pegar a coisa mastigadinha, mas infelizmente não é assim que se busca a verdade.

Numa situação dessas ocorrem duas hipóteses. Ou voc~e se dá bem ou você se dá mal.
"Se dar bem" é descobrir que o informante não era um trote. Que de fato algo está passando lá.
Se dar mal é ficar plantado de tocaia no lugar combinado o dia todo e nada acontecer. Isso é frustrante.

Neste caso em questão, de fato passou um caminhão transportando aquele treco, com carros batedores - que segundo a testemunha que investigava o caso - eram da Polícia Federal.

Seja ufo, seja outra coisa, isso é um resultado preliminar de alguma coisa.
Descobrir que o que você acha (ou gostaria que fosse) é uma peça mecânica de usina elétrica ou refinaria, ou um alambique gigante, tampa de silo, chocadeira ou o diabo a 4, o importante é averiguar, é dar a chance para que caso seja um fato real, ele ser documentado e registrado, evidenciando e denunciando o fenômeno e suas relações com o meio (nós).

O ponto escroto do cético de carterinha é que do mesmo jeito que o crédulo de carteirinha que aceita qualquer merda e sai acreditando na primeira coisa que lê, o cético já entra no jogo contaminado querendo detratá-lo, e sempre que puder irá transformar o assunto em piada ou infâmia.

Bom seria se os céticos fossem imparciais.

Mas é difícil, para não dizer impossível, ter uma imparcialidade absoluta quando o assunto é a polêmica questão dos discos voadores. São muitos os fatores que afetam nosso julgamento do que parece acontecer neste campo. Nosso conhecimento acadêmico, experiência de vida, investimento e questões psicológicas e de foro íntimo fazem diferença na hora de pesar o que investigamos.
De todas, talvez as mais influentes sejam as questões de foro íntimo e psicológicas.

Digo isso porque reconheço que existem aqueles que temem tanto o fenômeno que se empenham em cruzadas para provar ao mundo (mas antes disso, provar a si mesmos) que o fenômeno não existe. É como aquela criança que teme o bicho papão, mas para lidar com seu terror, personifica uma grande coragem num nível quase teatral, para mostrar a si mesmo e aos amigos que não há nada oculto na escuridão.

Existe uma guerra permanente entre céticos e crédulos. Particularmente, eu evito os dois extremos por achar que eles deturpam as informações para que elas sirvam às respectivas intenções.

Eu pessoalmente, acredito no fenômeno ufo, como possibilidade, como fenômeno da psicologia de massa e como fato concreto. Embora nunca tenha testemunhado o mesmo pessoalmente "ao vivo e a cores".

Para muitas pessoas, no caso dos UFOS, a lei de São Tomé é a que vale. "Se não vi, não existe". Ou "Só acredito vendo!"

São esses que devem pensar que bacalhau nasce sem cabeça, que não existe gêmeo negro e que os anões são eternos highlanders imortais. Ora, existem milhares de coisas que nunca vemos e aceitamos a existência. Outra coisa, existem milhares de coisas que acreditamos existir simplesmente porque pessoas em que (supostamente) devemos confiar nos dizem que existem. Quer um exemplo? O Osama Bin Laden.
Você já viu o Osama ao vivo? Eu nunca. Mas acredito que ele exista.
Outra coisa. O atentado contra as Torres do WTC. A massa do planeta acredita piamente que foi um atentado da Al Qaeda contra a egemonia geoplítica norte americana cujo autor e mentor foi Osama Bin Laden. Só tem um detalhe. O próprio Osama negou.
O que eu quero dizer com isso? Quero dizer que pode ser que o atentado não tenha sido idéia dele. Nem financiado por ele. E que todas as evidências tenha sido plantadas. Mas a massa do planeta acredita no que a grande mídia diz. Porquê confia na midia. Confia no governo. Embora a massa das pessoas também reconheça que o governo pode usar de táticas digamos, não ortodoxas para obter o que quer.

Então chegamos no ponto em que nos perguntamos: Em quem devemos acreditar?

Muita gente vê na ciência uma porta de saída para um mundo com muito mais perguntas que respostas.

Voltando ao fenômeno Ufo, eu o aceito baseado em evidências como relatórios militares, como os da Operação Prato, que tenho cópia em casa, por relatos de pilotos que eu colhi pessoalmente, entrevistas que fiz pessoalmente com controladores de trafego aéreo que lidam diretamente com este assunto, por ter visto na Tv as repercussões como o caso da noite oficial dos Ufos, quando o Ministro da aeronáutica assumiu em pessoa publicamente, a existência e a interceptação das naves no país. Sem falar na miríade de fotos, videos, e casos envolvendo pessoas de variados graus de confiabilidade que colecionei ao longo de uns anos.

Como eu aceito a possibilidade do fenômeno ufo, acredito que ufos são máquinas operadas por algum tipo de inteligência. Aceito também que eles falhem. Não sou inclinado a achar que alienígenas são perfeitos e que são infalíveis. Também não estou inclinado a ver alienígenas como manifestações da bondade ou da maldade de entidades espirituais.

Eu acho - e já escrevi isso aqui no blog - que a culpa pela questão ufológica ser um antro de ratos e picaretas estelionatários, curandeiros malandros e exploradores da boa fé alheia é da ciência tradicional que criou uma espécie de aversão ao tema, relegando-o ao limbo científico. Entenda o limbo científico como aquela terra de ninguém onde qualquer pela-saco com segundo grau incompleto sai se auto-intitulando "ufólogo" e arrotando que naves gigantes com Jesus Cristo dentro estão vindo salvar a humanidade entremeando palavras de efeito como "quadrantes inter-dimensionais" com uma sacolinha para obter dindim para construir uma sociedade alternativa no planalto central ou em algum buraco do Mato Grosso.

Ter a mente aberta não significa aceitar qualquer merda. Pelo menos não deveria.

O que acontece é que sem um interesse objetivo da ciência tradicional por este fenômeno que - na hipótese de ser apenas um fenômeno psicológico de massa - ainda é um fenômeno observável, quantificável e compreensível, que merece estudo, qualquer um pode se debruçar nele e dizer o que quer.
É isso que explica o fato de que muitos investigadores deste fenômeno também manifestem interesse por investigações de outras áreas, como a Parapsicologia, religiões e o que mais interessar.
È direito de cada um estudar o que bem entender. Desde que faça isso usando algum critério honesto.
Porém, o fato de acreditar no fenômeno ufo, não significa que eu saiba explicar todos os detalhes que faltam nesta equação, como:
Quem são eles?
De onde eles vem?
Por quê eles vem?
Como eles vêm?
Eu fico intrigado quando vejo baluartes representantes da ciência tradicional surgir na mídia para dizer, como sempre faz questão de repetir Marcelo Gleisler que como os ufos não teriam condições técnicas de viajar os bilhões de kms necessários para vir de um planeta da estrela mais próxima daqui, então a ufologia só pode ser uma conversa fiada de malucos maconheiros. E que pode até existir vida unicelular no espaço, mas que ele duvida que existam extraterrestres e discos voadores.

A ciência vê o mundo pelos olhos e pela janela de seu tempo.

Marcelo Gleisler e seus amigos cientistas acadêmicos tem o direito de não crer. Mas eu acho que fica feio para um cientista emitir certas opiniões sem antes avaliar o que há de dados disponíveis.
O que nós temos são pequenos elementos sortidos e variados que mostram uma profusão tipológica que vão de seres parecidos conosco a seres bem diferentes, naves de varias formas, tamanhos e com comportamentos diferentes de movimentação. Sem falar nas relações conosco também muito variadas. Isso me leva a pensar que não existem respostas definitivas para essas perguntas ali de cima.

O fenômeno ufo é um mistério desde a antiguidade. A Ciência humana evoluiu muito daquele tempo onde ela considerava a Terra como uma estrutura plana apoiada sobre elefantes, que por sua vez estavam apoiados sobre uma grande tartaruga no centro do universo com as estrelas rodando ao redor dela. Isso já foi um fato científicamente aceito, o que mostra que muitas vezes ( bota muita nisso) a ciência humana erra, ou é míope ao que está ao seu redor.

Todos os que se arriscam a dizer que ela está errada correm riscos. Que o diga Giordano Bruno e Galileu.

Talvez chegue um dia em que a ciência humana obtenha suficiente maturidade para encarar o fenômeno dos discos voadores sem se importar com a chacota cética e as campanhas de esculhambação da ufologia que são patrocinadas por interesses variados.

Até lá, a luta continuará e em meio a confusão de notícias bizarras, fraudes, espertalhões, céticos debochados, histórias loucas e fotos piradas, a ufologia continuará lutando para obter um naco da verdade. Mesmo que isso custe um preço alto.

Não perca o interessante debate aqui nos comentários!

Adicione aos Favoritos
Adicionar ao Blogblogs Adicionar ao Rec6 Adicionar ao Linkk Adicionar ao Technorati Adicionar ao Delicious Adicionar ao Digg Adicionar ao StumbleUpon

Isso que eu chamo de "estar com o saco cheio". (vomitável!)



Ok, agora explicando a aberração que você acabou de ver:

Resumindo: O saco do cara tá cheio de vermes e veias entupidas.

O nome da doença é Filariose ou filaríase. Também conhecida como Elefantíase.

A filariose ou elefantíase é a doença causada pelos parasitas nematóides Wuchereria bancrofti, Brugia malayi e Brugia timori, comumente chamados filária, que se alojam nos vasos linfáticos, causando linfedema. Esta doença é também conhecida como elefantíase, devido ao aspecto de perna de elefante do paciente com esta doença.

Mosquito Aedes Aegipt

Tem como transmissor os mosquitos dos gêneros Culex, Anopheles, Mansonia ou Aedes, presentes nas regiões tropicais e subtropicais. Quando o nematóideo obstrui o vaso linfático, o edema é irreversível, daí a importância da prevenção com mosquiteiros e repelentes, além de evitar o acúmulo de água parada em pneus velhos, latas, potes e outros.

Mosquito Culex

Afeta 120 milhões de pessoas em todo o mundo, segundo dados da OMS. Só afeta o ser humano (outras espécies afetam animais).

1. O Wuchereria bancrofti existe na África, Ásia tropical, Caraíbas e na América do Sul incluindo Brasil.mosquitos Culex, Anopheles e Aedes. No Brasil o vetor primário e principal é o Culex quinquefasciatus.
2. O Brugia malayi está limitado ao Subcontinente Indiano e a algumas regiões da Ásia oriental. O transmissor é o mosquito Anopheles, Culex ou Mansonia.
3. O Brugia timori existe em Timor-Leste e Ocidental, do qual provém o seu nome, e na Indonésia. Transmitido pelos Anopheles.


O parasita só se desenvolve em condições úmidas com temperaturas altas, portanto todos os casos na Europa e EUA são importados de indivíduos provenientes de regiões tropicais.

O período de incubação pode ser de um mês ou vários meses. A maioria dos casos é assintomática, contudo existe produção de microfilárias e o indivíduo dissemina a infecção através dos mosquitos que o picam.

Os episódios de transmissão de microfilárias (geralmente à noite, a depender da espécie do vetor) pelos vasos sanguíneos podem levar a reações do sistema imunológico, como prurido, febre, mal estar, tosse, asma, fadiga, exantemas, adenopatias (inchaço dos gânglios linfáticos) e com inchaços nos membros, escroto ou mamas. Por vezes causa inflamação dos testículos (orquite).

A longo prazo, a presença de vários pares de adultos nos vasos linfáticos, com fibrosação e obstrução dos vasos (formando nódulos palpáveis) pode levar a acumulações de linfa a montante das obstruções, com dilatação de vasos linfáticos alternativos e espessamento da pele. Esta condição, dez a quinze anos depois, manifesta-se como aumento de volume grotesco das regiões afectadas, principalmente pernas e escroto, devido à retenção de linfa. Os vasos linfáticos alargados pela linfa retida, por vezes rebentam, complicando a drenagem da linfa ainda mais. Por vezes as pernas tornam-se grossas, dando um aspecto semelhante a patas de elefante, descrito como elefantíase.

Se você descobrir alguém com a perna igual a de um elefante ou com membros grotescos assim perto da sua casa, meu amigo... temei! Há uma grande chance de você se contaminar via mosquito. Notifique a secretaria de saúde da sua cidade, compre MUITO inseticida e cortinados.
A filariose é um problema de saúde pública HÍPER comum no Brasil.

Adicione aos Favoritos
Adicionar ao Blogblogs Adicionar ao Rec6 Adicionar ao Linkk Adicionar ao Technorati Adicionar ao Delicious Adicionar ao Digg Adicionar ao StumbleUpon

16 setembro 2007

Casamentos e batizados são momentos solenes. Na sua maioria monótonos. Tirando uns e outros:



Este é um casamento russo. Deus me livre! Parece o casamento das famílias Montéquio e Capuleto.

Adicione aos Favoritos
Adicionar ao Blogblogs Adicionar ao Rec6 Adicionar ao Linkk Adicionar ao Technorati Adicionar ao Delicious Adicionar ao Digg Adicionar ao StumbleUpon

15 setembro 2007





O mundo está repleto de mistérios e coisas inacreditáveis que muitas vezes desafiam a ciência a explicá-los. É quando surge a fé e as explicações místicas que tentam dar algum senso de compreensão para aqueles fenômenos desconhecidos. Por mais que nossa ciência tradicional avance produzindo computadores, sensores e métodos de estudar o universo macrocósmico e microcósmico de tudo que nos cerca, ainda estão na fila para ser explicados vários fenômenos estranhos.


Um desses espantosos mistérios fica na Índia e encontra-se na cidade de Shivapur onde duas enigmáticas pedras repousam próximas a um santuário. Elas estão lá, ao alcance da mão de quem quiser tocá-las, filmá-las e fotografá-las.

Uma delas pesa 55 quilos; a outra, 41 quilos.

Até aí nada demais. O mundo está repleto de pedras de todos os tipos e tamanhos.
Prém, a parte realmente "GUMP" destas pedras, surge quando onze homens tocam a pedra maior; e nove, ( nem oito, nem dez. Só funciona com NOVE) tocam a pedra menor enquanto entoam uma misteriosa frase mágica. É neste momento que o impossível acontece:

As duas pedras erguem-se no ar até dois metros de altura, como se a gravidade deixasse de existir.

Muitos cientistas europeus e asiáticos têm estudado o fenômeno das pedras "levitantes" de Shivapur.

A frase mágica, escrita na parede do santuário, Qamar ali Derviche está relacionada com a lenda que explica o fenômeno. O local onde ficam as pedras é a sepultura de um santo muçulmano chamado Qamar Ali que viveu no século XVII. Ele pertencia à seita sufi, o ramo mais místico [ou metafísico] do islamismo. O jovem morreu aos 18 anos. Considerado santo, ( o que não é considerado santo na Índia, né?) seu túmulo tornou-se lugar de peregrinação.

As pedras, foram colocadas naquele local a pedido do jovem moribundo que profetizou o prodígio: "Se onze homens colocarem o indicador sob a pedra e chamarem meu nome, eu erguerei a pedra na altura de suas cabeças. Este é um símbolo para lembrar que o poder espiritual é maior que a força bruta."

Há muitas explicações possíveis para o fenômeno que se realiza ante o olhar perplexo de qualquer um que queira testemunhá-lo. Um deles está relacionado com as propriedades do som, que só agora começa a despertar uma curiosidade científica efetiva.

Um som não é apenas um fenômeno acústico, portanto ele é algo capaz de influenciar não apenas o órgão da audição, mas também produzir outras manifestações físicas. A Física clássica conhece perfeitamente o efeito da ressonância que pode se fazer presente em tudo, pois a estrutura da natureza é essencialmente vibratória. Mas outras possibilidades ainda mais fantásticas e desconhecidas, podem repousar nos mistérios do som.

Fonte: Levitating Stones por Margaret Deefholts, 2001


Veja um vídeo do fenômeno:


Seja isso um fato real ou não, é impossível não imaginar que tudo pode não passar da divisão do peso do objeto para cada qual dos participantes, que erguem a pedra com fé. No vídeo a pedra não parece flutuar no ar como dizem.

Adicione aos Favoritos
Adicionar ao Blogblogs Adicionar ao Rec6 Adicionar ao Linkk Adicionar ao Technorati Adicionar ao Delicious Adicionar ao Digg Adicionar ao StumbleUpon


Um objeto não identificado foi transportado nas imediações da BR324 perto de Feira de Santana - Bahia. O objeto foi fotografado pelo ufólogo, parapsicólogo e terapeuta, Francisco Baqueiro. A foto foi tirada numa terça- feira, 21 de novembro de 2006.

Boqueiro ficou sabendo do transporte um dia antes por um informante do serviço de inteligência.
O tal informante contou a Boqueiro que o objeto se tratava de um ufo que tivera algum tipo de avaria elétrica, descendo ( ou caindo) e não conseguindo mais decolar numa enorme plantação de cana numa cidade do interior do recôncavo Baiano.
O informante contou que o objeto seria levado do local do acidente para Salvador. Baqueiro não pestanejou e tentou seguir os rastros do tal objeto, e como predisse o informante, realmente lá estava o treco, sendo transportado na estrada sem qualquer preocupação em disfarçá-lo.

O objeto estava sendo levado para um posto de gasolina entre os municipios de Maracangalha e São Felix, Baqueiro seguiu o caminhão sem identificação escoltado pela Policia Federal (*) com dois carros atrás e dois na frente. O UFO estava sendo levado sem nenhuma cobertura.

Segundo o pesquisador, o caminhão seguia devagar diante de várias pessoas que estavam na estrada voltando para Salvador. Com muita sorte, perto de um posto de gasolina, com a camera do celular, Baqueiro tirou fotos do transporte e enviou paraGevard, editor da Revista UFO. Na revista, a foto de Feira de Santana ,comparada com outras imagens, mostrou uma notável semelhança com outra foto de situação semelhante encontrada na internet alguns meses atrás, cuja autenticidade não pôde ser comprovada:


Agora Baqueiro esta investigando onde ocorreu o acidente. As investigações indicam que a nave caiu numa plantação de cana-de-açúcar, perto de refinarias. Ele descarta a possibilidade de transporte de água ou áleo e também rejeita a possibilidade da nave ser parte de uma estrutura de um parque de diversão. Agora, com a foto publicada, o assunto está aberto para opiniões. O engenheiro nuclear Luiz Carlos C. Pires, por e-mail, diz que o objeto é a tampa de uma máquina de refinaria.

Baqueiro, que já trabalhou na Petrobrás, nega veementemente que se trate de alguma peça de refinaria.
Seguindo indicações ele está entrando em contato com várias testemunhas que relataram um estranho ruído muito forte de uma fonte de energia elétrica vindo de algum lugar no meio do canavial.
(* polícia federal escoltando pedaço de equipamento de refinaria?) Suspeito.

Fonte: aliennationsam.com

Adicione aos Favoritos
Adicionar ao Blogblogs Adicionar ao Rec6 Adicionar ao Linkk Adicionar ao Technorati Adicionar ao Delicious Adicionar ao Digg Adicionar ao StumbleUpon



O maior radiotelescópio do mundo é o de Arrecibo, que fica encravado numa depressão rodeado de pequenos montes em Porto Rico. Ali naquele lugar propício, foi montado o prato principal que tem 305 m de diâmetro.
Ele é mais ou menos parecido com uma antena parabólica. O tamanho descomunal do prato parabólico permite à antena a maior capacidade de captação de ondas eletromagnéticas no nosso planeta. Para a construção do pato parabólico, foram usados 38.778 placas de alumínio perfurado, que são presos por um numero absurdo de cabos de aço tracionados mecânicamente.
Lá no meio do prato, há uma estrutura presa por grossos cabos de aço que pendem de três enormes torres, sendo uma com 110m de altura e outras duas com 80m de altura. Cada uma fica em cima de um morro. E pendurado no ar, numa altura de 150 metros por grossos cabos de aço, está a estrutura que é a plataforma central de 900 toneladas. Ligado a ela, vemos o refletor esférico. É ele que se mexe, como se fosse um guindaste, mudando a posição da antena principal em relação ao prato, que é fixo. Assim, o telescópio capta emissões de rádio em sentidos diferentes.
A posição geográfica do telescópio em Porto Rico, e sua proximidade com o Equador Terrestre, permite uma visão de cone em 40 graus para o espaço, bem como a ampla visão de todos os planetas do sistema solar.
O radioteslecópio teve um papel importante para a astronomia mundial. Através dele foram descobertas coisas interessantes na área científica e militar


O telescópio também foi usado para o programa de SETI, de busca de vida extraterrestre. Em 1974, a mensagem de Arrecibo, uma tentativa de comunicação da Terra com nossos vizinhos de outros planetas, foi transmitida do telescópio de rádio para o conjunto globular M13, que está aproximadamente a 25.000 anos luz daqui. A mensagem foi emitida usando um padrão de bits de 1.679 de "1" e "0" o que permitiu gerar uma imagem bitmap de 73 pixel que incluiu números, figuras de palitinhos, fórmulas químicas, e uma imagem bem simples do próprio telescópio. Obviamente, não houve resposta a esta emissão até hoje.



Sem financiamento para sua manutenção, o telescópio será fechado antes de 2011. E sem financiamento imediato para as pesquisas, o telescópio parará em 1 de outubro de 2008.

É de se estranhar que o governo dos EUA gaste mais de um milhão de dólares para cada bomba de navegação por GPS lançada inutilmente em Bagdá e não tenha um puto sequer para o financiamento deste importante equipamento que ajuda a ciência humana a descobrir mais sobre para onde vamos e de onde viemos.



Fonte: Fagonazos

Adicione aos Favoritos
Adicionar ao Blogblogs Adicionar ao Rec6 Adicionar ao Linkk Adicionar ao Technorati Adicionar ao Delicious Adicionar ao Digg Adicionar ao StumbleUpon